INCÊNDIO NA RECIPNEU - COMUNICADO 13 de Outubro 2017
FLEXYGRAN no Hipódromo Campo Grande - Ass. Portuguesa de Paralisia Cerebral
Março 2014
PRÉMIO MELHOR EMPRESA MENTORA
04-12-2013
WORLD ELASTOMER SUMMIT 2013
Lyon, 04-05 Dezembro Orador - António Pedreiro
REVISTA TYRE & RUBBER RECYCLING
Outubro 2013
Projecto Eco-Rubber - Prémio Green Up Innovación
Pilaretes de Borracha Reciclada
02 Fevereiro 2012
EUROPA PRESS - RECIPNEU E UPV NO DESENVOLVIMENTO DE NOVO ISOLANTE ACÚSTICO PARA EDÍFICIOS
EL MUNDO - RECIPNEU E UPV NO DESENVOLVIMENTO DE NOVO ISOLANTE ACÚSTICO PARA EDÍFICIOS
GRUPO SOLEDAD - RECIPNEU E UPV NO DESENVOLVIMENTO DE NOVO ISOLANTE ACÚSTICO PARA EDÍFICIOS
ENLLAVE - RECIPNEU PARTICIPA NO DESENVOLVIMENTO DE NOVOS MATERIAIS PARA EDIFÍCIOS
17 Abril 2012
FOOTEXPO MARRAKECH 2011
SOCCEREX BUSINESS
Soccerex Business - Issue 1
ELASTIC FANTASTIC
PRESS NEWS
ANÚNCIOS RECIPNEU
CRYOFLEX Energy CRYOFLEX Look FLEXYGRAN Jump
STADIA - Sep/Oct 2008
Artificial Intelligence
TAKE A LOOK ...
...at the new logo
Tecnologia
Na RECIPNEU foi instalada com sucesso a Tecnologia Criogénica - uma Inovação na Europa quer a nível de Tecnologia quer de Produtos.

O processo industrial desenvolve-se em três fases:

1. Fragmentação da matéria-prima.
2. Processamento criogénico.
3. Ensacamento e armazenamento

1. FRAGMENTAÇÃO DA MATÉRIA-PRIMA

Esta fase consiste na fragmentação de pneus ligeiros e pesados em pequenos troços, de secção homogénea, através de um processo de corte por lâminas, obtendo-se assim o produto designado como chip.

2. PROCESSAMENTO CRIOGÉNICO

Este processo realiza a separação completa e individualizada da borracha, aço e têxteis sem desperdício ou perdas apreciáveis de material. É um processo contínuo, controlado automaticamente, e desenrolado sob atmosfera inerte.

2.1 - AS FASES DO PROCESSO

2.1.1 – O arrefecimento criogénico

Os chips são lançados num túnel imergindo em Azoto líquido, a cerca de -196ºC, dando-se uma permuta de frio entre os chips à temperatura ambiente e o azoto líquido. Arrefecendo-se os chips até uma temperatura de -80º C, atinge-se o ponto de transição vítreo (Tg) de todos os polímeros constituintes da borracha, ou seja, a “borracha” comporta-se como vidro.

2.1.2 – A moagem criogénica

Sob uma atmosfera inerte e muito fria, os chips “congelados” a -80ºC são sujeitos a um fortíssimo impacto, em moinhos de martelos especiais, estilhaçando-se instantaneamente em pequenos grânulos de diferentes dimensões.

2.1.3 – Separação dos diferentes materiais, secagem, classificação e purificação do produto final.

O processo completa-se com as seguintes operações:

• Separação densimétrica dos têxteis;
• Separação magnética do aço;
• Secagem da borracha granulada;
• Classificação granulométrica da borracha em dimensões standard;
• Eliminação de poeiras e outros resíduos contaminantes.

3. ENSACAMENTO E ARMAZENAMENTO

Da linha criogénica, o granulado obtido transita para diversos silos, de onde é ensacado, sobre paletes, em Big-Bags de ráfia sintética, com capacidade para cerca de 1,2 tons. O produto embalado é depois armazenado até à expedição.
© 2017 RECIPNEU – Empresa Nacional de Reciclagem de Pneus, Lda. - Todos os direitos reservados
web design webuild